container - hyperbanner

1

Notícias

Diretor da PF quer concluir inquéritos que tramitam no STF neste ano

Segovia disse que existem atualmente mais de 200 inquéritos sobre autoridades com foro privilegiado no STF e que, deste total, cerca de metade tem relação com a operação Lava Jato

Da Redação ([email protected] )

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, disse nesta quarta-feira que a corporação quer concluir os inquéritos contra políticos e autoridades com foro privilegiado, inclusive os da operação Lava Jato, que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda neste ano.

"A nossa meta é concluir todos os inquéritos hoje que já estão no STF até o final deste ano", disse Segovia a jornalistas após reunião com a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

"A Polícia Federal já aumentou, praticamente dobrou, o número de delegados e de investigadores e nos comprometemos com a ministra Cármen Lúcia de, até o final do primeiro semestre, em no máximo oito meses, a gente concluir a maioria das investigações que hoje anda dentro do Supremo Tribunal Federal", acrescentou.

Segovia disse que existem atualmente mais de 200 inquéritos sobre autoridades com foro privilegiado no STF e que, deste total, cerca de metade tem relação com a operação Lava Jato.

"Esperamos não só concluir os inquéritos no STF da Lava Jato, mas também todas as outras investigações que correm", disse o diretor-geral.

Na semana passada, a PF praticamente dobrou o número de delegados envolvidos no inquérito da Lava Jato e, com isso, o efetivo de delegados para tocar essa função subiu de nove para 17.

Acelerar a conclusão das investigações de inquéritos da Lava Jato contra autoridades investigadas no Supremo foi uma das metas impostas por Segovia, desde que assumiu o cargo em novembro do ano passado.

Segovia, que tomou posse sob desconfiança justamente por ser apoiado por investigados na Lava Jato, quer concluir essas apurações o quanto antes. Políticos alvos de investigação na operação também defendem a celeridade da tramitação dos inquéritos, pois temem que o fato de serem investigados na Lava Jato afete seu desempenho na eleição geral de outubro deste ano.

Agência O Globo 

(cópia 1)