container - hyperbanner

1

Notícias

Temer diz que reforma da Previdência é 'razoavelmente suave' para prevenir o futuro

Durante o evento nesta sexta, Temer disse que seria mais confortável para ele "ficar em silêncio"

Da Redação ([email protected] )

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira que a proposta de

reforma da Previdência defendida pelo governo é "suave" e tem como

objetivo evitar que a União e os Estados fiquem sem condições de pagar

aposentadorias e pensões no futuro.

Temer também defendeu a

equiparação do teto de aposentadoria entre trabalhadores da iniciativa

privada e funcionários públicos, alvos mais recentes da mobilização do

governo pela aprovação da reforma, sob o argumento de que a medida acaba

com privilégios.

"O que estamos fazendo hoje é uma reforma até

razoavelmente suave para prevenir o futuro", disse o presidente em

cerimônia de inauguração de estação de bombeamento do eixo norte do

projeto de integração do rio São Francisco, em Pernambuco.

"A

única coisa que vamos fazer é o seguinte... queremos igualar os

trabalhadores públicos com os trabalhadores da iniciativa privada",

afirmou.

O governo, que batalha para conseguir os votos

necessários para aprovar a reforma, tem sofrido pressão de aliados para

flexibilizar ainda mais o texto da proposta, levando em conta demandas

de servidores -- principalmente os que ingressaram no serviço público

antes de 2003, que pedem uma regra de transição.

Durante o evento

nesta sexta, Temer disse que seria mais confortável para ele "ficar em

silêncio" sobre o tema, mas que seria cobrado no futuro por não tentar

votar a reforma previdenciária.

"Temos tido ousadia de fazer algo

que pessoas dizem que vai gerar impopularidade, mas não temos

preocupação com popularidade e sim com o Brasil", afirmou.

Por se

tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), a reforma da

Previdência necessita dos votos favoráveis de 308 dos 513 deputados em

dois turnos de votação na Câmara e depois ainda precisa ser analisada

pelo Senado.

Agência O Globo


(cópia 1)